“Hogwarts não existe sem você”

Com essa frase, Harry Potter recebeu Rúbeo Hagrid quando o guarda-caça retornou à escola depois de passar um período na prisão de Azkaban. Também é nesse sentido que opera a relação entre Real Madrid e Sergio Ramos. Hoje, é impossível imaginar o time merengue sem seu capitão. O impacto da especulada e agora já rechaçada saída do camisa 4 seria até maior que o da saída de Cristiano Ronaldo, há um ano atrás.

Porque Ramos não é só um dos melhores do mundo em sua posição. Encarna os valores e a alma do madridismo. Não por acaso porta a braçadeira. Sua saída deixaria um grave vácuo de liderança. Seu compromisso e personalidade para cobrar e incentivar os companheiros não encontra correspondência em nenhum outro membro do elenco.

Marcelo, por exemplo, hoje vice-capitão, é inegavelmente identificado com a camisa e tem amor ao clube, mas nem sempre é o melhor dos exemplos. Às vezes, como ao longo de toda a última temporada, parece desinteressado e displicente, comportamento impróprio de qualquer líder máximo.

Além disso, os feitos de SR4 já o consolidaram como patrimônio histórico do clube. É absolutamente natural enxergá-lo como um dos maiores ídolos da história da instituição.

Um dos históricos gols marcados por Ramos com a camisa madrilenha

Nessa lista, tem lugar em um top-10 tranquilamente. O que dá a medida de sua grandeza, porque são postos geralmente destinados a ocupantes do setor ofensivo. Seu trunfo é justamente a efetividade no ataque. Gols imortais. Um baita batedor de pênaltis, frio e praticamente impecável. Muita qualidade na saída de bola, com destaque para a precisão em inversões longas.

Como zagueiro e em sua função raiz de defender, ainda é o melhor do mundo, em que pese seus 33 anos. Só Van Dijk poderia substituí-lo à altura em curto prazo, e tirar o holandês do Liverpool é missão mais impossível que as de Tom Cruise. Sem contar que o custo seria de, no mínimo, 150 milhões de euros. Está mais do que certo o Madrid ao não liberá-lo de graça. Levando-se em conta o pacote completo do que o capitão representa para o clube, eu só cogitaria me desprender dele por, pelo menos, 90 milhões de euros.

Evidentemente, não existe jogador insubstituível e nenhum jogador é maior que nenhum clube. Mas, por tudo que foi dito acima, perder Sergio Ramos seria catastrófico para o Madrid. Menos mal que o capitão já disse ao povo que fica. Longa vida. “Oh, captain, my captain”.

Leave a comment

Your email address will not be published.


*