A Reconstrução do Cruzeiro: Por onde começar?

Passado o aniversário de 99 anos do Cruzeiro, o rebaixamento para a série B de 2019 e a renúncia da antiga diretoria ainda são um dos assuntos mais comentados do Brasil.

Muito pelos memes, pela zoação (merecida, é claro) dos atleticanos e demais rivais, mas também, pelos boatos de falência e sobre um possível desfecho trágico para o clube.

Os responsáveis pelo caos no clube todos sabem, mas é importante citar nomes para que todas as torcidas do Brasil nunca se esqueçam. Wagner Pires de Sá, Itair Machado, Sérgio Nonato, Zezé Perrella. Thiago Neves, Dedé, Edilson, Egídio, Robinho, Fred, Mano Menezes e Abel Braga. Conselheiros corruptos e descompromissados com o clube, e muitos outros.

Práticas de gestão empresarial e clube empresa

O Conselho Gestor, que assumiu o clube após a renuncia deu o primeiro passo: Expurgar essa gente do clube, de uma vez por todas. E colocar nos cargos gente séria, voluntária e disposta a ajudar o clube. Resta agora o trabalho. Mas quais são os passos para reerguer o clube de volta a primeira divisão, enxugar os cofres e montar um elenco minimamente competitívo para o centenário em 2021?

Com nomes conhecidos do setor empresarial mineiro, como Saulo Fróes (Lokamig Rent a Car), Vittorio Medioli (Grupo Sada), Pedro Lourenço (Supermercados BH) e Emílio Brandi (Nova Safra), administram o clube interinamente desde o fim do ano passado, até que uma nova diretoria seja eleita, nos próximos meses.

Enquanto a mudança não ocorre na prática, os empresários do novo Conselho Gestor aplicam as receitas de sucesso de suas empresas no projeto intitulado “Novo Cruzeiro”. Para isso, expertises de empresas mineiras de sucesso como Lokamig, Grupo Sada, Supermercados BH, Nova Safra, Frigorífico Uberaba e Aethra estão sendo agregadas à gestão do clube, em uma força-tarefa para reerguê-lo.

Em sua coluna, o CEO do clube diz que oferecerá um plano de recuperação de longo prazo, irá arrolar bens imóveis e assumir compromissos de liquidar a dívida real. O Cruzeiro aguarda a votação do senado da lei que autoriza a recuperação judicial do clube, imprescindível no momento.

O Cruzeiro será um clube transparente, nada mais que a obrigação, mas ainda sim um avanço, comparado a ultima gestão. Já se foi o tempo da farra com o dinheiro do torcedor.

Ações de arrecadação como o sócio torcedor, destruído pela antiga diretoria, serão lançadas. Um novo sócio promete adesões em peso, a torcida comprou a ideia, e quer ajudar a levantar o clube.

Time para subir em 2020 e futuras vendas

O Brasileirão começa em maio, os primeiros meses de 2020 devem ser para colocar ordem na casa. E o Campeonato Mineiro será uma espécie de laboratório para o torcedor cruzeirense se acostumar com a nova realidade, já que os “medalhões” devem ser negociados, mas com duas missões: defender o título e evitar que o Atlético-MG cresça no âmbito regional.

Mesmo com um elenco superior, esperar que o Cruzeiro consiga ganhar a Série B com grande folga como outros grandes fizeram é ainda muito cedo para afirmar.

No entanto, o time tem capacidade para usar a boa base mineira e conduzir uma campanha que brigue pelo acesso. Não será um ano como todo o torcedor sonhou, mas terá que ser um ano que mostre a grandeza do clube pois irá mostrar como serão os próximos anos.

Com salários altos para a atual situação do Cruzeiro, é possível que Fábio ou Rafael não permaneçam no clube ano que vem.

Dessa forma, Vitor Eudes, de 21 anos, assumiria o posto de segundo goleiro. Com 1,94, Eudes é considerado dentro do clube como um atleta com um futuro bastante promissor.

Com a iminente saída de Edilson e com o possível empréstimo de Orejuela, comprado no fim do ano em definitivo pelo clube, Weverton, de 20 anos está nos planos para o ano que vem. Também com passagem pelas seleções de base, o garoto acumula cinco jogos pelo time de cima do Cruzeiro.

Na esquerda, o desempenho ruim e o alto custo de Egídio e Dodô – que se alternaram no setor, neste ano – fazem com que Rafael Santos, de 21 anos surja como alternativa para a posição no próximo ano. Com três jogos pela equipe principal, Santos deve ser testado no Campeonato Mineiro. 

Na defesa, três nomes aparecem como figuras certas para compor o setor em 2020. Cacá, de 20 anos, teve ótimo desempenho na temporada, mesmo sendo lançado em meio ao péssimo momento da equipe do torneio.

Aos 19 anos, e ainda sem estrear no time principal, Edu também deve ganhar espaço no elenco, especialmente em caso de saída dos experientes Léo e Dedé, que também têm permanência incerta em função dos altos vencimentos.

No meio-campo, o clube sofrerá muitas mudanças. Jogadores como Thiago Neves, Ariel Cabral, Rodriguinho e Marquinhos Gabriel, que também custam bastante os cofres do clube têm boas chances terem um 2020 longe da Toca II.

Com 27 jogos e boas atuações, o volante Éderson, já é considerado um dos pilares da equipe. Aos 20 anos, o jogador foi um dos poucos que se salvaram no fiasco de 2019, mesmo tendo uma queda absurda de rendimento no fim da temporada.

Na mesma posição, Adriano, também de 20 anos, é outra promessa que possivelmente vai ganhar mais minutos em campo ano que vem. Muito elogiado pelos técnicos de base da Raposa, o atleta está integrado ao elenco principal há alguns meses, mas ainda não estreou.

Já na armação das jogadas, a principal esperança é Maurício. Nome muito pedido pela torcida em meio ao péssimo momento dos medalhões no Brasileirão, o meia, de apenas 18 anos, que teve boas atuações com Rogério Ceni no comando, acumula nove jogos e um gol pela Raposa. Frequentemente chamado para a seleção Sub-20, o meia tem tudo para ganhar uma sequência na equipe celeste no próximo ano.

O ataque talvez tenha sido o setor mais questionado pela torcida celeste neste ano. O pífio desempenho do setor ofensivo colocou nomes como Fred, Sassá e David na berlinda. Com o salário altíssimo para o atual momento do Cruzeiro, o camisa 9 dificilmente permanecerá no clube. Já os demais, tem a presença incerta para o próximo ano.

Assim, dois nomes surgem como esperança da torcida para ajudar a formar um ataque mais forte em 2020.

Artilheiro na base, Vinícius Popó, de 18 anos, atua como centroavante e soma cinco jogos pelo time principal. A força física e os expressivos números nas categorias inferiores geram uma boa expetativa dos cruzeirenses em relação a Popó.

Welinton, de 20 anos, tem a característica de atuar mais pelos lados do campo. Mesmo treinando com o elenco de cima há alguns meses, ainda não recebeu a primeira oportunidade de atuar com os companheiros mais experientes.

O Cruzeiro está longe de seu fim. Voltará, Mais forte do que era, e com a melhor das lições, que muitos clubes no Brasil ainda não aprenderam: não coloque em posições de poder pessoas incompetentes, descompromissadas, corruptas e sangue-sugas.




Leave a comment

Your email address will not be published.


*